PARE OLHE ESCUTE

ESCOSTEGUY Vida e obra

viernes, 19 de agosto de 2016

Anticonto CAMPO NOTURNO


CAMPO NOTURNO

 

 

         Paz de campo noturno

 

                   A estrada  grande  que salta de vila em vila

         e atravessa  o  braço do rio num traço de cimento

         vem vindo.  Carreta nova. Jipe vem junto. Máqui-

         nas.  Escola.   Tudo isso vem junto.  Um dia chega.

                   Agora a estrada é carreiro no pasto.  Limite

         do campo se  perde atrás da sesmaria.  Água vem

         da cacimba.    Luz é lampião.    Zinco é Santa-Fé.

         Cigarro é palheiro.

 

                            Rádio = cordeona

                            Perfume = alecrim

 

         E alegria, a moça aquela.

         Flor do campo.  Chamaram de prenda.

 

                            De chinoca.

                            Quando não foi mais flor, china.

 

         Campo noturno.

 

                   Na noite sem vento seu vulto varou o sereno,

         salpingado de lua.

 

                            Boitatá.

                            Encantação.

 

                   Foi quando os alecrins pularam do caminho,

         e se refez fandango.

 

                   E se abriu porteira velha na memória para

         passar o capataz

                            seus olhos-de-brasa.

 

         Justo onde se alçou o vôo largo de um quero-quero

 

                            pra que ela olhasse pro céu.

                            Altíssimo.

                            Intocável.

                            Cheio de flores do campo.

                            E um galope gateado, seu.

 

 

0 comentarios:

Publicar un comentario

Suscribirse a Enviar comentarios [Atom]

Enlaces a esta entrada:

Crear un enlace

<< Página principal